quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

O EUROCENTRISMO em uma única imagem


Folha de rosto do Atlas Theatrum Orbis Terrarum.

O século XVI é tido por muitos como o sinônimo da consolidação das mais diversas transformações ocorridas na sociedade europeia desde o fim do período medieval, sejam elas no âmbito social, econômico, político ou cultural. A Folha de rosto do atlas Theatrum Orbis Terrarum, que trago para esta postagem, atlas este produzido por Abraham Ortelius em 1570 revela-nos aspectos extremamente interessantes ligados à concepção europeia que se tinha naquela época em relação aos continentes. Na verdade, o tal atlas é um documento oficial, uma vez que Ortelius era cosmógrafo de Felipe II (Espanha).
Carregada de uma visão EUROCENTRICA, a imagem proposta merece uma análise minuciosa que pretende perpassar pela simbologia contida em cada um dos elementos presentes e para isso, tomamos por base as observações feitas por dois historiadores em especial, são eles: Gustavo Celso de Magalhães e Miriam Hermeto.
A página de rosto da obra de Abraham Ortelius, cosmógrafo de Felipe II (Espanha), publicada em 1570, representa uma visão sobre os quatro continentes conhecidos. No alto, está a Europa como verdadeira filha de Deus. As figuras laterais representam a Ásia e a África e, em posição diametral oposta à Europa, está a América. Ao seu lado, há um busto esculpido sugerindo a possibilidade de um outro continente ainda não conhecido (que seria a Oceania).
A EUROPA é apresentada como uma mulher, acima de todos da cena e com uma a coroa e um cetro de comando do mundo, ela está ricamente ornamentada; ao seu lado estão dois globos sinalizando que ela é o centro do mundo (concepção essencial do eurocentrismo). A ÁSIA é apresentada também através de uma figura feminina (de pé ao lado esquerdo da cena) vestida, mas não com a mesma indumentária europeia. A mulher (Ásia) carrega em sua mão um pequeno vaso (dourado) sinalizando o seu ouro e as especiarias que produzia, no caso ilustrado, o incenso, percebido por meio da fumaça que sai do mesmo vaso. Já a figura feminina que representa a ÁFRICA (de pé ao lado direito) aparece minimamente vestida e negra (embora nem todos os habitantes da África sejam negros e os europeus dessa época já soubessem disso), tem em uma das mãos um galho como se seus habitantes ainda vivessem basicamente daquilo que a natureza oferece e/ou porque produziam especiarias que interessavam aos europeus. A AMÉRICA (mulher no extremo inferior da cena) aparece totalmente nua e semideitada, como se seus habitantes não fossem muito afeitos ao trabalho (“preguiçosos”), e bastante atrasados e selvagens por ainda não utilizarem roupas (isso é uma generalização, pois os europeus conheceram povos nativos na América que usavam roupas); ela tem nas mãos uma cabeça de uma pessoa, mostrando que entre os habitantes reinava a barbárie e violência e que viviam guerreando, como indicam as flechas. Ao lado da América, há um busto esculpido sugerindo a possibilidade de um outro continente ainda não conhecido (que seria a Oceania).
Enfim, a disposição das personagens que compõem a cena (o fato dos continentes estarem abaixo da Europa e em uma construção comandada pela Europa) a representação traz a noção de que todos os outros continentes eram habitados por povos inferiores, que deveriam ser conquistados e cristianizados. Ainda podemos dizer que, a imagem é tradução perfeita do tal EUROCENTRISMO, aspecto extremamente polêmico e que foi durante muitos anos e ainda é, muitas vezes, predominante na historiografia ocidental, acobertando verdades históricas, apagando da História grandes personagens e “furtando” méritos de outros povos em favor dos europeus.

Ficamos por aqui, um forte abraço e até a próxima! 




2 comentários:

  1. Oi Professor Júnior,é seu aluno aluno Pedro Rian:
    Professor,eu me lembro deste assunto;e então vou complementar algumas coisas que eu me lembro,tais como:
    A palavra EUROCENTRISMO significa o seguinte:
    EURO=EUROPA E CENTRISMO=CENTRO ou seja
    A Europa está no centro de tudo;ela é um exemplo de continente(visão aprimorada dos europeus),ela está como a verdadeira filha de Deus e também ela é considerada o continente que segue plenamente as ordens de Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rian, como vai? Só de boa, heim?!
      Sua observação está correta, só vale lembrar que esta é uma visão que o europeu tinha de si mesmo e procurou transparecer, convencer e submeter os demais povos a essa concepção.

      Sempre bom vê-lo por aqui!
      Abração!

      Excluir