quarta-feira, 12 de outubro de 2011

A DESIGUALDADE EXPRESSA NUM SIMPLES JANTAR DO BRASIL COLONIAL

JEAN-BAPTISTE DEBRET: Um jantar brasileiro, 1827



“Um jantar brasileiro” é uma das obras do francês Jean-Baptiste Debret, mais difundidas pelos livros de História que abordam as relações cotidianas do Brasil Colonial. Pintor e desenhista, Debret, proporcionou aos brasileiros, um valiosíssimo acervo de imagens que servem de referência para estudiosos e curiosos da nossa história e cultura sobre a primeira metade do século XIX.
A tela proposta para esta postagem nos permitirá fazer uma análise crítica acerca das disparidades existentes na sociedade brasileira daquele período. O escravismo era o pilar de sustentação econômica e social, pois por aqui, Brasil, quem trabalhava mesmo eram os escravos.
Feitas as primeiras observações, vamos a nossa análise.
O primeiro aspecto que nos chama a atenção ao observar a cena é a extrema facilidade na qual conseguimos identificar os livres e os cativos. Isto se dá quase que única e exclusivamente pela cor da pele. De forma secundária, essa diferenciação é feita também pelo fato de que alguns negros servem, é o caso da negra que abana o casal, e de que os outros estão à disposição dos brancos para atender a qualquer situação ou solicitação que porventura surja.
A farta mesa devorada pelo casal é um ponto estratégico para refletirmos a desigualdade social existente na época. Imagine você, segundo descrições do próprio Debret, em sua obra “Uma Viagem Pitoresca ao Brasil”, um jantar na casa de um pequeno ou médio negociante, como o que se vê na cena, era constituído de:

“(...) de uma sopa de pão e caldo gordo, chamado caldo de substância, porque é feita com um enorme pedaço de carne de vaca, salsichas, tomates, toucinho, couves, imensos rabanetes brancos com suas folhas, chamados impropriamente nabos etc., tudo bem cozido. No momento de pôr a sopa à mesa, acrescentam-se algumas folhas de hortelã e mais comumente outras de uma erva cujo cheiro muito forte dá-lhe um gosto marcado bastante desagradável para quem não está acostumado. Serve-se ao mesmo tempo o cozido, ou melhor, um monte de diversas espécies de carnes e legumes de gostos muito variados embora cozidos juntos; ao lado coloca-se sempre o indispensável escaldado (flor de farinha de mandioca) que se mistura com caldo de carne ou de tomates ou ainda com camarões; uma colher dessa substância farinhosa semi-líquida, colocada no prato cada vez que se come um novo alimento, substitui o pão, que nessa época não era usado ao jantar. Ao lado do escaldado, e no centro da mesa, vê-se a insossa galinha com arroz, escoltada porém por um prato de verduras cozidas extremamente apimentado. Perto dela brilha uma resplendente pirâmide de laranjas perfumadas, logo cortadas em quartos e distribuídas a todos os convivas para acalmar a irritação da boca já cauterizada pela pimenta. Felizmente esse suco balsâmico, acrescido a cada novo alimento, refresca a mucosa, provoca a salivação e permite apreciar-se em seu devido valor a natural suculência do assado. Os paladares estragados, para os quais um quarto de laranja não passa de um luxo habitual, acrescentam sem escrúpulo ao assado o molho, preparação feita a frio com a malagueta esmagada simplesmente no vinagre, prato permanente e de rigor para o brasileiro de todas as classes. Finalmente, o jantar se completa com uma salada inteiramente recoberta de enormes fatias de cebola crua e de azeitonas escuras e rançosas (tão apreciadas em Portugal, de onde vêm, assim como o azeite de tempero que tem o mesmo gosto detestável). A esses pratos, sucedem, como sobremesa, o doce-de-arroz frio, excessivamente salpicado de canela, o queijo de Minas, e mais recentemente, diversas espécies de queijos holandeses e ingleses; as laranjas tornam a aparecer com as outras frutas do país: ananases, maracujás, pitangas, melancias, jambos, jabuticabas, mangas, cajás, frutas do conde, etc.” (DEBRET, 1839)

Ufa, deu até fome!
Se por um lado, a comilança e a farta mesa de jantar do negociante se repetia a cada dia, do outro lado, compunham a refeição dos negros cativos apenas “(...) dois punhados de farinha seca umedecidos na boca pelo suco de algumas bananas ou laranjas.” (DEBRET, 1839)
Acredito veementemente que isso explica o fato do escravo que está em pé, próximo a mesa, manter “o olhar fixo” para a suculenta comida posta a mesa. Faminto ou no mínimo mal alimentado, o que ele deveria está pensando diante de tal situação?
Já na parte inferior da tela, nos é apresentado duas crianças que ainda não atingiram a idade de serem utilizadas nos serviços mais pesados, ou seja, na labuta e na crueldade do dia a dia do escravismo colonial brasileiro. Acerca destas crianças, o próprio Debret descreve que

“(...) é costume, durante o tête-à-tête (conversa a parte entre duas pessoas) de um jantar conjugal, que o marido se ocupe silenciosamente com seus negócios e a mulher se distraia com os negrinhos que substituem os doguezinhos (cachorros), hoje quase completamente desaparecidos na Europa.” (DEBRET, 1839)

Dessa forma, assim como os cães que ficam ao pé da mesa na hora do almoço ou do jantar, na espreita de conseguir algo, as crianças cativas recebiam das mãos de sua senhora, manjares e doces. Pobre gurizada, que mal acostumada aos “mimos” de sua senhora, em breve cairá na laboriosa luta diária de um escravo e passará a comer a tal farinha umedecida com suco de algumas poucas laranjas ou bananas.
Cabe-nos ainda destacar alguns outros detalhes da cena, como por exemplo, a roupa nada elegante, usada pelo negociante. De fato a ostentação era um elemento que constituía as relações sociais das pessoas abastardas do período, mas o jantar era “sagrado”, sendo assim, procurava-se está à vontade para saciar fome e vivenciar aquele momento não só íntimo, mas importante do dia. Sobre este aspecto, Debret nos conta que:

“Era muito importante, principalmente para o estrangeiro que desejasse comprar alguma coisa numa loja, evitar de perturbar o jantar do negociante pois este, à mesa, sempre mandava responder que não tinha o que o cliente queria. Em geral não era costume apresentar-se numa casa brasileira na hora do jantar, mesmo porque não se era recebido durante o jantar dos donos. Muitas razões se opunham: em primeiro lugar o hábito de ficar tranquilamente à vontade sob uma temperatura que leva, naturalmente, ao abandono de toda etiqueta; em seguida a negligência do traje, tolerada durante a refeição; e, finalmente, uma disposição para o sossego que para alguns precede e para todos segue imediatamente o jantar.” (DEBRET, 1839)

Por fim, uma vez destacados os principais pontos da tela, podemos chegar a conclusão de que além de patriarcal e escravista, os pilares da sociedade brasileira colonial estavam fundamentados no quesito desigualdade, e assim, nos cabe a importantíssima consciência histórica de que esta mesma configuração de sociedade, deixou enraizado este mal ainda não totalmente superado nos dias atuais. Se a cena de "Um jantar brasileiro" pintada por Debret, revela um aspecto que cotidianamente se repetia nos lares daquele período, Brasil a fora, aonde dois ou três saciavam a fome sentados a farta mesa servida por quatro, cinco ou seis famintos, não é difícil compreender porque que no Brasil atual as diferenças sociais são tão ruidosas que a sensação que se tem é de que numa reprodução contínua da tela de Debret, em proporções muito maiores, o Brasil nada mais é, política, cultural e economicamente falando, que dois, três ou quatro sentados à fartíssima mesa, servida por um número incontáveis de famintos.

Ficamos por aqui pessoal!
Um fortíssimo abraço e Saudações!



14 comentários:

  1. Gosteei viiu Tiio Júnioor... Beijus Letícia Martinns

    ResponderExcluir
  2. nossa! eu adoro essa prancha do Debret... sempre fiquei imaginando coisas desse tipo. eu ainda não tinha lido as impressões do Debret sobre essa pintura. Obrigada pelo seu esclarecimento. um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Demorei a agradecer por essa postagem,kkk
    agradecida.
    seu blog é tudo. Recomendo sempre. um abraço

    ResponderExcluir
  4. Demorei a agradecer por essa postagem,kkk
    agradecida.
    seu blog é tudo. Recomendo sempre. um abraço

    ResponderExcluir
  5. Faltou falar de alguns aspectos como a barriga das crianças, que deduram a presença de vermes e as vestimentas da escrava, mas o post me ajudou muito, obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. qual o nome das personagens da imagem? muito boa história !

    ResponderExcluir
  8. gostei me ajudo muito na minha liçao

    ResponderExcluir
  9. gostei muito ótima fonte para pesquisa. valeu

    ResponderExcluir
  10. sou acadêmico de história, infelizmente no brasil atual, esta cena continua a se repetir,os políticos sentados á mesa e os trabalhadores ao redor da mesma com seus filhos.

    ResponderExcluir
  11. A condição do negro perante o branco melhorou muito nas ultimas décadas.Mais ainda tem um longo caminho para diminuir as desigualdades.

    ResponderExcluir
  12. Fabulosa descrição de Debret, provoca a imaginação e nos remete a casa com esse farto jantar!

    ResponderExcluir